E se estourar uma crise igual à que aconteceu em 2008?

Os brasileiros no Japão que não estiverem preparados financeiramente, e vierem a perder os postos de trabalho, estarão lascados. Talvez para estes, a próxima crise será pior do que a de 2008.

Vejamos: na crise de 2008, o governo japonês disponibilizou a ajuda de ¥300 mil em troca da permanência. Numa eventual próxima crise, não se sabe se a benesse governamental se repetirá, sobretudo porque a ajuda passada não surtiu o efeito esperado. Não se pode ficar contando sempre com o ovo no traseiro da galinha.

Ademais, em 2008 a 2010, os brasileiros que pegaram os ¥300 mil para retornarem ao Brasil encontraram um país com pleno emprego, inflação sob controle, franco crescimento econômico, mercado imobiliário a todo vapor, ou seja, uma economia pujante.

Já atualmente… Todos os fundamentos econômicos estão abalados: desemprego em alta, inflação acima do teto da meta, rombo nas contas públicas, crescimento da dívida pública e retração da economia. Portanto, o Brasil de hoje nem se compara aquele Brasil de 2008 a 2010.

Se em 2008 a situação do Brasil estava boa por causa da China demandando produtos brasileiros, agora, a crise econômica brasileira é causada em partes pela desaceleração do crescimento chinês. E é esta desaceleração da economia chinesa que poderá desencadear uma próxima crise.

Enfim, a situação atual para os brasileiros que não estiverem preparados, caso ocorra um repeteco da crise de 2008, é a seguinte:

“Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come”.